Há 15 dias na UTI, advogada atropelada propositalmente abre os olhos pela 1ª vez – ITAPICURU FM 104,9

Há 15 dias na UTI, advogada atropelada propositalmente abre os olhos pela 1ª vez

A advogada e servidora pública Tatiana Machado Matsunaga, de 40 anos, abriu os olhos pela primeira vez desde que foi atropelada propositalmente pelo advogado Paulo Ricardo Moraes Milhomem, 37 anos, no Lago Sul. Segundo o pai da vítima, Luiz Sérgio Machado, Tatiana acordou nessa quinta-feira (9/9), “mas ainda não responde a estímulos”.

“Ela olha na nossa direção, fica com os olhos abertos, mas ainda não está respondendo a estímulos. O médico disse que depende de cada paciente, tem uns que acordam mais rapidamente, outros têm processo mais lento. E o trauma dela foi muito grande, não foi só uma pancadinha na cabeça”, disse ao Metrópoles.

A vítima está internada na UTI de um hospital particular de Brasília desde 25 de agosto, dia do crime. “Ela já passou por cirurgia na cabeça, na perna, na barriga e fez uma traqueostomia. Depois, fez nova cirurgia na cabeça […] Hoje, deve fazer uma gastrostomia, que é um procedimento para ela passar a receber alimento diretamente no estômago”, explica Luiz Sérgio.

Ainda segundo o pai de Tatiana, a advogada precisará ter os ligamentos da perna reconstituídos. “Porque ficaram destruídos após o atropelamento”, relata.

Depois de ver a filha com os olhos abertos, ele conta que agora a família torce por evolução no quadro de saúde de Tatiana. “A gente só não gritou porque estava na UTI. Estamos com a expectativa lá em cima e agora queremos mais.”

Prisão mantida

Nessa quinta-feira (9/9), a 2ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) manteve a prisão do advogado Paulo Ricardo Moraes Milhomem, que atropelou Tatiana na frente do filho e do marido dela, no Lago Sul.

Segundo o pai de Tatiana, a família recebeu a notícia “com alegria dentro da tristeza que estamos vivendo”. “É um ponto positivo para que essa pessoa continue detida e continue na cadeia até o dia do julgamento”, afirmou.

Deixe uma resposta