“Andamos com medo agora”, diz jovem gay agredido por vizinha – ITAPICURU FM 104,9

“Andamos com medo agora”, diz jovem gay agredido por vizinha

A rotina do fotógrafo Lorran Oliveira mudou desde o último domingo (30), por conta de uma agressão sofrida por ele e seu marido no bairro de Pontalzinho, Itabuna, para onde se mudaram há cerca de dois meses.

De acordo com Lorran, uma vizinha iniciou uma confusão por conta da oritentação sexual deles e agrediu o casal. A polícia foi chamada para atender a ocorrência, mas segundo o fotógrafo, os problemas não pararam por aí.

“O policial que atendeu a ocorrência me fez ser levado no camburão (parte do fundo da viatura) e os vizinhos impediram que eu fosse lá, já que eu fui a vítima! Chegando até o Complexo Policial de Itabuna-BA eu fui direcionado a prestar depoimento, mas não foi isso que aconteceu de fato. Colocaram-me dentro de uma salinha e fui algemado, isso mesmo… A vítima foi algemada! E a autora dos crimes? Ficou na frente da recepção com os mesmos deboches a minha pessoa”, relatou nas redes sociais.

O jovem postou várias fotos das marcas das agressões e também algemado e o caso viralizou. “Não imaginava que teria a repercussão que teve”, disse o fotógrafo ao Varela Notícias. Ele também contou que não se sente seguro depois do ocorrido.

“Ficamos muito abalados e procuramos acompanhamento psicológico por conta da situação. Ficamos preocupados com nossa vida. Não sabemos o que passa na cabeça das pessoas, se alguém vai querer vingar ou coisas do tipo. Andamos com medo agora”, disse.

Após ter pedido na postagem, ele conseguiu que uma advogada para acompanhar o processo. A defesora Daniela Amaral afirmou que as providências cabíveis em relação a agressora e também a ação policial estão sendo tomadas. CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Entramos com uma queixa crime contra a agressora. Na Delegacia foi enquadrado apenas como vias de fato, não adentrou na homofobia e nem na lesão corporal. É nítido que houve uma lesão corporal. Nós também pedimos que o fato de terem algemado ele seja notificado à Corregedoria e que seja investigado o motivo de algemar uma vítima”, afirmou.

Em nota, a Polícia Militar negou que Lorran tenha sido algemado. “Quando chegaram ao local, os policiais militares encontraram um indivíduo com alguns arranhões na face e uma mulher. Como ambos alegaram terem sido vítimas de agressões mútuas, foram conduzidos à delegacia do município. Eles não foram conduzidos no presídio da viatura, tampouco algemados na condução e segundo informações de populares que visualizaram o fato as agressões foram iniciadas pelo homem”, disse um trecho do comunicado.

O VN não conseguiu localizar a mulher acusada de praticar a agressão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *